Domingo
27 de Setembro de 2020 - 
ADVOCACIA COM RESPONSABILIDADE

Controle de Processos

NOTÍCIAS

Newsletter

Previsão do tempo

Hoje - Rio de Janeiro,...

Máx
35ºC
Min
19ºC
Parcialmente Nublado

Projeto Carta de Mulheres recebe mais de mil mensagens

Iniciativa visa orientar vítimas de violência.   Lançado pelo Tribunal de Justiça de São Paulo em 7 de abril, o projeto Carta de Mulheres já recebeu mais de mil pedidos de ajuda em casos de violência de gênero.  O objetivo é que vítimas e pessoas que desejam auxiliá-las entrem em contato com a Coordenadoria da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Poder Judiciário (Comesp) por meio de formulário disponível na internet – www.tjsp.jus.br/cartademulheres. Nesta segunda-feira (27), o telejornal SP1, da TV Globo, destacou os resultados obtidos. Levantamento feito pela Comesp mostra que, no período de 7/4 a 22/7, o Carta de Mulheres recebeu 1008 contatos. Das mensagens enviadas por pessoas do Estado de São Paulo, 278 eram da Capital e outras 277 da Grande São Paulo, Interior e Litoral. Também foram recebidas solicitações de outros Estados (374) e até mesmo contatos de outros países – dois da Argentina e um da França.  Os principais agressores apontados nos pedidos de ajuda são maridos ou companheiros (350) e ex-maridos (330). Mas também figuram entre agentes de violência namorados (90), ex-namorados (97) e atém mesmo filhos (50). Em muitos casos, as vítimas afirmaram que a quarentena agravou a violência, porque elas ficaram em isolamento social juntamente com seus agressores. A maioria dos pedidos de orientações foram classificados como casos de violência psicológica e moral. Também foram relatados casos de violência física, patrimonial e sexual. A reportagem trouxe os números das estatísticas do programa e ressaltou a importância de não só a vítima sempre procurar ajuda, mas parentes, amigos e vizinhos também denunciarem. “Apontamos os caminhos, endereços, telefones, e-mails e quando a pessoa se sentir preparada, de acordo com aquilo que ela quer fazer, ela busca a alternativa que lhe é mais possível naquele momento difícil”, disse a juíza da Comesp, Teresa Cristina Cabral Santana, que participou da matéria. Projeto Carta de Mulheres - Inspirado na iniciativa homônima Carta de Mujeres, da Justiça peruana, o projeto do TJSP oferece orientações às vítimas e às pessoas que desejam ajudá-las. Todas as solicitações são respondidas por uma equipe de profissionais que atua na Comesp. São informados os locais para atendimento adequado, como delegacias, casas de acolhimento, Defensoria Pública, Ministério Público, além de persos programas de ajuda de instituições públicas ou organizações não governamentais. As respostas levam em consideração a situação de cada mulher e o tipo de violência (física, psicológica, patrimonial etc.). Também são esclarecidos os possíveis desdobramentos em casos de denúncia e os tipos de medidas protetivas existentes. No “Carta de Mulheres” o sigilo é garantido e a equipe atende demandas de todo o Estado de São Paulo. É preciso fornecer o endereço no formulário apenas para que a resposta possa indicar os locais corretos caso a pessoa decida buscar ajuda. O programa se destina exclusivamente a fornecer orientações e não haverá o encaminhamento dos relatos aos demais órgãos ou instituições do sistema de Justiça. Para que ocorra a notificação é necessário que a pessoa procure os locais indicados pela Comesp.    imprensatj@tjsp.jus.br   Siga o TJSP nas redes sociais: www.facebook.com/tjspoficial www.twitter.com/tjspoficial www.youtube.com/tjspoficial www.flickr.com/tjsp_oficial www.instagram.com/tjspoficial  
27/07/2020 (00:00)
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Visitas no site:  334794